sexta-feira, 8 de maio de 2015

Salmos 23:6

Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na casa do Senhor por longos dias.

quinta-feira, 7 de maio de 2015

Mensagem 07 - Desfrutar Deus na Casa de Deus

Conferência de entremesclar em Salvador - BA
14 e 15 de Março de 2015

Tema Geral: Na Casa de Meu Pai








Extraído do Canal Entremesclar
https://www.youtube.com/channel/UCN7R6fGdVs0_taKdfdrdbfQ

quarta-feira, 6 de maio de 2015

Salmos 27:4

Uma coisa pedi ao Senhor, e a buscarei: que possa morar na casa do Senhor todos os dias da minha vida, para contemplar a formosura do Senhor, e inquirir no Seu templo.

terça-feira, 5 de maio de 2015

Mensagem 06 - Viver em uma Esfera de Oração e Adoração

Conferência de entremesclar em Salvador - BA
14 e 15 de Março de 2015
Tema Geral: Na Casa de Meu Pai





Extraído do Canal Entremesclar
https://www.youtube.com/channel/UCN7R6fGdVs0_taKdfdrdbfQ

segunda-feira, 4 de maio de 2015

João 4: 23-24

Mas vem a hora, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e veracidade; porque o Pai também procura a tais que assim O adorem. Deus é Espírito, e é necessário que os que O adoram O adorem em espírito e veracidade.

domingo, 3 de maio de 2015

Mensagem 05 - Viver na Habitação do Deus Triúno

Conferência de entremesclar em Salvador - BA
14 e 15 de Março de 2015
Tema Geral: Na Casa de Meu Pai





Extraído do Canal Entremesclar
https://www.youtube.com/channel/UCN7R6fGdVs0_taKdfdrdbfQ


quarta-feira, 15 de abril de 2015

2 Timóteo 2:14-26


Traze estas coisas à memória, ordenando-lhes diante do Senhor que não tenham contendas de palavras, que para nada aproveitam e são para perversão dos ouvintes. Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade. Mas evita os falatórios profanos, porque produzirão maior impiedade. E a palavra desses roerá como gangrena; entre os quais são Himeneu e Fileto; Os quais se desviaram da verdade, dizendo que a ressurreição era já feita, e perverteram a fé de alguns. Todavia o fundamento de Deus fica firme, tendo este selo: O Senhor conhece os que são seus, e qualquer que profere o nome de Cristo aparte-se da iniquidade. Ora, numa grande casa não somente há vasos de ouro e de prata, mas também de pau e de barro; uns para honra, outros, porém, para desonra. De sorte que, se alguém se purificar destas coisas, será vaso para honra, santificado e idôneo para uso do Senhor, e preparado para toda a boa obra. Foge também das paixões da mocidade; e segue a justiça, a fé, o amor, e a paz com os que, com um coração puro, invocam o Senhor. E rejeita as questões loucas, e sem instrução, sabendo que produzem contendas. E ao servo do Senhor não convém contender, mas sim, ser manso para com todos, apto para ensinar, sofredor; Instruindo com mansidão os que resistem, a ver se porventura Deus lhes dará arrependimento para conhecerem a verdade, E tornarem a despertar, desprendendo-se dos laços do diabo, em que à vontade dele estão presos.

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Mateus 18:21-35


Então Pedro, aproximando-se dele, disse: Senhor, até quantas vezes pecará meu irmão contra mim, e eu lhe perdoarei? Até sete? Jesus lhe disse: Não te digo que até sete; mas, até setenta vezes sete. Por isso o reino dos céus pode comparar-se a um certo rei que quis fazer contas com os seus servos; E, começando a fazer contas, foi-lhe apresentado um que lhe devia dez mil talentos; E, não tendo ele com que pagar, o seu senhor mandou que ele, e sua mulher e seus filhos fossem vendidos, com tudo quanto tinha, para que a dívida se lhe pagasse. Então aquele servo, prostrando-se, o reverenciava, dizendo: Senhor, sê generoso para comigo, e tudo te pagarei. Então o Senhor daquele servo, movido de íntima compaixão, soltou-o e perdoou-lhe a dívida. Saindo, porém, aquele servo, encontrou um dos seus conservos, que lhe devia cem dinheiros, e, lançando mão dele, sufocava-o, dizendo: Paga-me o que me deves. Então o seu companheiro, prostrando-se a seus pés, rogava-lhe, dizendo: Sê generoso para comigo, e tudo te pagarei. Ele, porém, não quis, antes foi encerrá-lo na prisão, até que pagasse a dívida. Vendo, pois, os seus conservos o que acontecia, contristaram-se muito, e foram declarar ao seu senhor tudo o que se passara. Então o seu senhor, chamando-o à sua presença, disse-lhe: Servo malvado, perdoei-te toda aquela dívida, porque me suplicaste. Não devias tu, igualmente, ter compaixão do teu companheiro, como eu também tive misericórdia de ti? E, indignado, o seu senhor o entregou aos atormentadores, até que pagasse tudo o que lhe devia. Assim vos fará, também, meu Pai celestial, se do coração não perdoardes, cada um a seu irmão, as suas ofensas.


sábado, 14 de março de 2015

Algumas Experiências...

Uma irmã no Senhor, a Srta. Margaret E. Barber sentiu certa vez que o Senhor queria que ela preparasse dez quartos à maneira de hospedaria para crentes. Ela orou sobre o assunto. Por estranho que pareça, Deus fez uma escola industrial da vizinhança deixar de funcionar. Conseqüentemente, ela alugou a escola. Tinha vinte salas, e o aluguel mensal era de vinte dólares. A coisa ficou assim arranjada, para minha grande surpresa.
Mas algo mais surpreendente aconteceu mais tarde. Quatro anos haviam passado quando chegou a notícia de que a escola iria ser reativada. Soube disso por meu pai, pois ele era um dos diretores da entidade. Por isso, uma tarde, fui fazer uma visita especial a essa amiga. Perguntei-lhe se ela havia ouvido a notícia. Disse-me que já havia sido informada de que a escola iria abrir de novo no outono e que eles também haviam contratado dois engenheiros dos Estados Unidos que já estavam a caminho. Por tudo o que sabiam, a escola definitivamente iria reabrir. Perguntei-lhe se estava pensando em mudar. Sua resposta foi negativa. Perguntei ainda se ela havia orado. Disse-me que não, pois não havia necessidade de orar. Um jovem crente que estava por ali expressou a opinião de que dessa vez ela estava sendo enganada por Satanás. Respondeu ela: “Espere para ver”. Perguntei-lhe como é que podia ter tanta certeza. Disse-me que Deus não brincaria com ela. Se Deus quisesse que ela tivesse uma hospedaria, quem é que poderia enxotá-la a não ser que Deus a mandasse parar? Ele nunca zomba de nós. Mas os engenheiros já estavam a caminho e havia planos para a reabertura da escola!
Calmamente, ela foi passar suas férias de verão nas montanhas, como se nada tivesse acontecido. Uma surpresa surgiu logo antes de ela voltar das montanhas. A autoridade escolar inesperadamente mandou-lhe uma carta notificando-a de que a escola não iria reabrir e pedindo-lhe que continuasse a alugar o prédio. O que havia acontecido era que, durante os preparativos para abrir a escola, ocorreu uma grande catástrofe, e por certos motivos as finanças da escola haviam ruído! Oh, se aprendêssemos corretamente o caminho de Deus, saberíamos como enfrentar qualquer situação, evitando, assim, muitas ações e palavras desnecessárias. Se conhecermos a Deus, saberemos como ele vai agir com respeito a certo assunto, da mesma forma que podemos predizer a palavra e a ação de uma pessoa se conhecermos seu temperamento. Se conhecermos a Deus, poderemos saber se ele vai ou não responder a certas orações.
Hoje em dia, a igreja dá muito destaque ao estudo da Bíblia. É verdade, o estudo bíblico é importante. Mas venho insistindo em que é mais importante ainda conhecer a Deus. Se aprendermos estas lições, saberemos exatamente o que fazer para ajudar as pessoas que estão tateando no escuro. Embora o caso seja diferente, o princípio é o mesmo. Ao orar com alguém, saberemos se a prece dele vai ser ou não respondida. Ao orar com duas pessoas, saberemos a prece de quem vai ser atendida e a de quem não vai. Isto não quer dizer que nos tenhamos tornado profetas. Simplesmente demonstra que, a julgar por sua condição espiritual, saberemos o resultado de nossas orações.

Jamais nos contentemos com o atendimento ou não de nossas preces. Quão precioso será se cada oração receber sua garantida resposta!

Extraído do livro: Conhecendo a Deus em oração e em Sua vontade

quinta-feira, 12 de março de 2015

Algumas experiências

Um amigo meu certa vez precisava de cento e cinquenta dólares (se me lembro ao certo). Nessa época, morávamos em uma vila, e era sábado. Ele precisava do dinheiro para a próxima segunda-feira. A balsa funcionava apenas poucas vezes por semana e não havia balsa alguma funcionando aos sábados e domingos. Ele tinha apenas dois dólares no bolso. Assim, orou a Deus. Deus lhe mostrou que ele devia esperar até segunda-feira. Ele obedeceu a Deus e desejou saber como devia gastar os dois dólares. Saindo a pregar o evangelho, encontrou alguém que lhe disse ainda não haver recebido o pagamento por ter limpado suas janelas. Ele deu um dólar ao homem. Agora meu amigo tinha apenas um dólar no bolso. Continuando, encontrou um mendigo pedindo esmolas. Primeiro, ele achou que deveria trocar o dólar em moedas de dez centavos de dólar e dar metade disso ao mendigo. De repente, aquele dólar se tornou muito precioso para ele. No entanto, ao reconsiderar, percebeu que isso era errado. Portanto, deu o dólar todo ao mendigo. Quando esse dólar saiu, Deus entrou. Meu amigo ficou extremamente feliz, pois, como disse, agora não tinha nada no mundo do que depender e, portanto Deus cuidaria dele. Voltou para casa e dormiu tranquilamente. No dia do Senhor, ele oficiou como de costume. Na segunda-feira, um amigo lhe passou pelo telégrafo cento e cinqüenta dólares. Conseguiu cobrir perfeitamente sua necessidade.
Toda vez que esperarmos que Deus responda às nossas orações, precisamos aprender a receber seu tratamento. Sequer uma gota do oceano pode entrar em uma garrafa se ela estiver tampada por uma pequena rolha. Os dois dólares em nosso bolso fazem o papel da pequena rolha; a menos que a tiremos, não podemos receber coisa alguma de Deus. Apesar de podermos aprender muita coisa de uma vez só, nossa experiência deveria se aprofundar à medida que os anos passam.
Ao continuar aprendendo, o crente descobrirá que até as palavras usadas ao orar relaciona-se com o fato de a oração ser respondida ou não. Ele sabe o que dizer para obter uma resposta, e sabe o que pode ser dito para que uma oração não seja respondida. Já investigou todos os aspectos da oração. Aprenda a orar com confiança. Não espere por três ou cinco meses até ter certeza. Ninguém tem experiência de conhecer a Deus sem conhecê-lo pela oração.

Extraído do livro: Conhecendo a Deus em Oração e em Sua vontade