sábado, 28 de fevereiro de 2015

REDIMIDOS PELO SANGUE

1. Não fui redimido com prata nem ouro,
Nem toda a riqueza minh’alma salvou.
O sangue na cruz: minha única base;
A morte do meu Salvador me curou.

Deus me remiu, mas não com prata;
Nem com ouro me comprou;
Mas com o sangue de Seu Filho –
Alto preço de amor.

2. Não fui redimido com prata nem ouro,
A culpa na minha consciência pesou.
O sangue na cruz: minha única base;
A morte do meu Salvador me comprou.

3. Não fui redimido com prata nem ouro,
De aproximar-me a lei me impediu.
O sangue na cruz: minha única base;
A morte do meu Salvador me atraiu.

4. Não fui redimido com prata nem ouro,
Entrada no reino, não compra o que é vil.
O sangue na cruz: minha única base;
A morte do meu Salvador me remiu.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Salmos 34


Louvarei ao SENHOR em todo o tempo; o seu louvor estará continuamente na minha boca. A minha alma se gloriará no Senhor; os mansos o ouvirão e se alegrarão. Engrandecei ao Senhor comigo; e juntos exaltemos o seu nome. Busquei ao Senhor, e ele me respondeu; livrou-me de todos os meus temores. Olharam para ele, e foram iluminados; e os seus rostos não ficaram confundidos. Clamou este pobre, e o Senhor o ouviu, e o salvou de todas as suas angústias. O anjo do Senhor acampa-se ao redor dos que o temem, e os livra. Provai, e vede que o Senhor é bom; bem-aventurado o homem que nele confia. Temei ao Senhor, vós, os seus santos, pois nada falta aos que o temem. Os filhos dos leões necessitam e sofrem fome, mas àqueles que buscam ao Senhor bem nenhum faltará. Vinde, meninos, ouvi-me; eu vos ensinarei o temor do Senhor. Quem é o homem que deseja a vida, que quer largos dias para ver o bem? Guarda a tua língua do mal, e os teus lábios de falarem o engano. Aparta-te do mal, e faze o bem; procura a paz, e segue-a. Os olhos do Senhor estão sobre os justos, e os seus ouvidos atentos ao seu clamor. A face do Senhor está contra os que fazem o mal, para desarraigar da terra a memória deles. Os justos clamam, e o Senhor os ouve, e os livra de todas as suas angústias. Perto está o Senhor dos que têm o coração quebrantado, e salva os contritos de espírito. Muitas são as aflições do justo, mas o Senhor o livra de todas. Ele lhe guarda todos os seus ossos; nem sequer um deles se quebra. A malícia matará o ímpio, e os que odeiam o justo serão punidos. O Senhor resgata a alma dos seus servos, e nenhum dos que nele confiam será punido.


domingo, 22 de fevereiro de 2015

COMER É A IDEIA CENTRAL DA BÍBLIA



Quando o filho pródigo voltou para casa, exteriormente ele foi vestido com a melhor roupa preparada pelo seu pai, mas interiormente ele ainda tinha fome. Então, o pai disse, “Traga o novilho cevado; mate-o, e vamos comer e nos alegrar” (Lc 15:23). Esta é a ideia no Novo Testamento como também em toda a Bíblia.

O Senhor Jesus também disse que a pregação do evangelho é comparada a um homem que prepara um grande banquete. Quando nós pregamos o evangelho, nós dizemos frequentemente para as pessoas se arrependerem e falamos sobre o homem ser pecaminoso. Porém, nesta parábola o Senhor Jesus disse, “Ide e avisai os convidados! O banquete está pronto. Venham, pois todas as coisas já estão prontas!” Venham fazer o que? Venham comer! Não se preocupem se os incrédulos não confessarem e se arrependerem dos seus pecados. Quando eles comerem o Senhor, eles se alegrarão. Depois quando eles perceberem que são pecadores, eles lamentarão. Tal lamentar e confessar de pecados serão melhores do que o que eles fariam após ouvir a sua persuasão. Portanto, quando nós pregarmos o evangelho a outros, nós temos que sugerir a eles que comam. O homem precisa comer o Senhor, tomar o Senhor interiormente.

Paulo disse em suas Epístolas que ele alimentou os crentes com leite. Pedro também disse que como crianças recém-nascidas nós deveríamos almejar o leite sem dolo, espiritual. O leite não é somente para beber, mas também para comer. O leite é comida nutritiva. Portanto, a ideia da Bíblia é comer! A Bíblia é um livro sobre comer! Coma! Coma! Nós precisamos comer o Senhor Jesus!

Extraído do livro: Comendo o Senhor


sábado, 21 de fevereiro de 2015

SUA TODO-INCLUSIVIDADE

1. Senhor, ao Te considerar,
Teu ser queremos adorar;
Tão precioso para nós,
Tão rico, amável, singular.

Tu és o que necessitamos –
A Ti, louvor e adoração!
Excedes o que desejamos,
Nos dás real satisfação.

2. De fato és o próprio Deus,
O Deus de luz e de amor;
O Deus que sempre nos apraz,
Que é nossa vida e Senhor.

3. Genuíno homem és também,
Tão bom, tão puro, superior;
Um homem que agrada a Deus
E que conquista nosso amor.

4. De Deus humilde servo és,
Desceste para nos servir;
Obediente até a cruz,
Assim vieste-nos remir.

5. Além de tudo isso és Rei,
De Deus, ungido com poder,
Que reina em vida e amor –
Contigo havemos de reger.

6. Ao recordar de Ti, Senhor,
Tomamos todo o Teu ser;
E desfrutando-Te em amor
Teu complemento vamos ser

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

O ESPÍRITO E A PALAVRA


Deus nos deu dois grandes dons — o Espírito e a Pala­vra. O Espírito composto é a totalidade do Deus Triúno e de todos os Seus feitos. É por isso que digo que esse Espírito composto, incluindo Sua Palavra, é a consumação final e máxima do Deus Triúno alcançando-nos. A Pessoa divina e a Palavra divina estão envolvidas neste único Espírito compos­to. Todas as bênçãos, todas as heranças do Novo Testamento foram legadas aos filhos de Deus. Estes legados estão também envolvidos neste único Espírito composto.
Dois versículos no Novo Testamento indicam que o Espírito e a Palavra são um. Em João 6:63 o Senhor diz : "As palavras que eu vos tenho dito, são espírito". Também, Efésios 6:17 refere-se à espada do Espírito, cujo Espírito é a palavra de Deus. Não somente a palavra do Senhor é o Espírito; o Espírito também é a Palavra.
É por isso que em Romanos 10 Paulo diz que quando você ouve a pregação do evangelho, a palavra está perto de você, em sua boca e em seu coração (v. 8). Por muitos anos não podia entender o que Paulo queria dizer. Como poderia a palavra estar em minha boca e em meu coração? Finalmente o Senhor me mostrou que sempre que o Novo Testamento é ensinado, pregado, lido, ou estudado por alguém com um coração sincero, o Espírito trabalha com a Palavra. Por meio do Espírito a Palavra entra em sua boca. Por meio do Espírito a Palavra entra em seu coração. Sem o Espírito, a palavra impressa não poderia entrar em sua boca e em seu coração. Quando exercita seu espírito para orar sobre um versículo da Bíblia, aquele versículo entra em sua boca e em seu coração. Você não deveria ler a Bíblia sem orar. Você tem de ler a Bíblia, a Palavra santa, devotadamente. Não deveria meramente exercitar sua mente para estudar a Pala­vra. Você deve ir à Palavra com oração. Não precisa usar suas próprias palavras; ore a Palavra.
Todos nós sabemos que quando oramos dessa maneira, a palavra na página entra em nossa boca e em nosso coração. Somos regados, recebemos iluminação, nutrição, for­talecimento, conforto e suprimento de vida. Também o Espírito é aplicado a nós como a consumação do Deus Triúno.
O Espírito e a Palavra trabalham juntos. Devemos sempre tocar a Bíblia por tocar o Espírito. Devemos orar lendo, e ler orando. Então desfrutaremos o Deus Triúno. O nosso encargo não é discutir ou debater, mas apresentar a verdade básica ao povo de Deus para que ele possa conhecer que nosso Deus é na realidade o Deus Triúno, não para entendermos, mas para desfrutarmos. Estamos apresentando a verdade para ajudar os santos a conhecer que nosso Deus é Triúno para participarmos Dele, desfrutá-Lo e experimentá-Lo.

Extraído do livro: A Revelação Básica nas Escrituras Sagradas


quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

A FUNÇÃO DO ESPÍRITO [Parte II]

Com a ascensão do Senhor aos céus e o derramar do Espírito, toda a operação do Deus Triuno foi completada. O Pai planejou com o Filho e o Espírito, e o Filho veio com o Pai e o Espírito para cumprir o que Deus havia planejado. Finalmente, o Espírito veio com o Pai e o Filho para aplicar o que o Pai havia planejado e o que o Filho havia cumprido. Este Espírito que aplica é a consumação do Deus Triuno. Ele não é somente por Si mesmo como um Espírito separado, nada tendo a ver com o Pai e não relacionado ao Filho; Ele é a consumação do Deus Triuno, a consumação da Trindade divina, para nos alcançar.
O alcançar do Espírito a nós tem dois aspectos: o aspec­to interior e exterior. O interior foi cumprido no dia da ressurreição. Naquele dia o Senhor ressurreto voltou para os Seus discípulos e soprou-se para dentro deles (Jo 20:22). Isso foi totalmente para vida, a vida interior.

Cinqüenta dias mais tarde, no Pentecoste, Ele derramou o Espirito sobre os discípulos como um vento poderoso (At 2:1, 2). Sopro é para vida, mas vento é para poder. No Pen­tecoste, os discípulos foram revestidos com poder do alto (Lc 24:49). O revestir do Espírito é como o vestir de um uniforme. O uniforme dá, a quem o veste, poder, autoridade. Um policial com um uniforme tem autoridade para nos parar. Se ele não tivesse um uniforme, não o ouviríamos. O Espírito como nossa vida, o Espírito que dá vida, a saber, o Espírito da vida, é também o Espírito fora de nós, derramado sobre nós como o Espírito de poder do alto. Tudo isso já foi cumprido.

Extraído do livro: A revelação básica nas Escrituras Sagradas

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

A FUNÇÃO DO ESPÍRITO [Parte I]


O Espírito é a realidade de Cristo (Jo 14:17; 15:26; 1 Jo 5:7). Quando invocamos o nome do Senhor Jesus, recebemos o Espírito como a realidade de Cristo (Jo 14:17), e esse Cristo, o Filho de Deus, é a própria corporificação do Pai (Cl 2:9). O Pai é corporifícado no Filho, e o Filho é plenamente per­cebido como o Espírito. Colossences 2:9 diz que a plenitude da deidade (divindade) habita em Cristo corporalmente. Cris­to, então, é a corporificação de Deus, plenamente percebido como o Espírito. Isto é revelado em João 16:13-15.
O Espírito dá vida aos crentes (1 Co 15:45 ; 2 Co 3:6) e os regenera em seu espírito (Jo 3:5, 6). Ele unge os crentes (2 Co 1:21), os sela (Ef 1:13; 4:30; 2 Co 1:22a), e Ele próprio é o penhor de Deus dado a eles (2 Co 1:22b). Por meio deste ungir, que traz o elemento divino para dentro dos crentes, Ele os preenche. O selar modela o elemento numa certa forma como uma impressão e torna-se uma marca. O penhor significa que Ele é a garantia de que Deus é a nossa herança. Por um lado, selar prova que nós somos a herança de Deus; por outro lado, Deus como nossa herança para nosso desfrute é também garantido por meio do Espírito que habita interiormente como o penhor.
Ele é também o suprimento abundante para os crentes (Fp 1:19 ). Ele nos santifica, não só posicionalmente, mas disposicionalmente (1 Pe 1:2; Rm 15:16) e experimentalmente também. Ele transforma os crentes (2 Co 3:18).
Todos os crentes foram batizados neste único Espírito para dentro de um único Corpo (1 Co 12:13). No dia de Pentecoste, e na casa de Cornélio, quando Cristo, o Filho, o ascendido, derramou o Espírito sobre os crentes, aquilo foi o batizar do Seu Corpo para dentro do Espírito. Em 1 Coríntios 12:13 diz que fomos todos batizados em um Espírito para dentro de um Corpo. Cristo completou esse batismo assim como completou Sua crucificação. Todos os que crêem foram crucificados (Gl 2:19b, 20). No mesmo princípio, todos nós fomos batizados no dia de Pentecoste. Fomos batizados e nos foi dado a beber desse único Espírito (1 Co 12:13). Agora estamos bebendo deste Espírito. Ser batizado é exterior; beber é interior. Exteriormente fomos batizados; inte­riormente estamos bebendo do único Espírito.


Extraído do livro: A revelação básica nas Escrituras Sagradas

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Oração:


Senhor, como Te agradecemos pela Tua Pala­vra. Agradecemos-Te por esta oportunidade: de desfrutarmos da tua Presença. Cremos que é de Tua soberania. Senhor, podemos vir a Ti em torno de Tua palavra. Que misericórdia e graça! Confiamos em Ti para entender a Tua palavra. Admitimos nossa insuficiência. Somos limitados — limitados no entendimento, limitados na elocução, até mesmo limitados no ler. Unge nosso ouvido e nossa mente. Unge a boca que fala. Que Tu possas falar em nosso falar. Gostamos de praticar ser um espírito Contigo, especialmente nesta hora de falar a Tua palavra. Senhor, purifica-nos com o Teu precioso sangue. Como Te louvamos porque, onde o Teu sangue está, ali está a rica unção. Confiamos em Tua unção. Buscamos a Ti desesperadamente neste momento. Senhor, derrota o inimigo. Visita cada leitor. Nós pedimos em Teu poderoso Nome. Amém.

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Eclesiastes 1:1-18


Palavras do pregador, filho de Davi, rei em Jerusalém. Vaidade de vaidades, diz o pregador, vaidade de vaidades! Tudo é vaidade. Que proveito tem o homem, de todo o seu trabalho, que faz debaixo do sol? Uma geração vai, e outra geração vem; mas a terra para sempre permanece. Nasce o sol, e o sol se põe, e apressa-se e volta ao seu lugar de onde nasceu. O vento vai para o sul, e faz o seu giro para o norte; continuamente vai girando o vento, e volta fazendo os seus circuitos. Todos os rios vão para o mar, e contudo o mar não se enche; ao lugar para onde os rios vão, para ali tornam eles a correr. Todas as coisas são trabalhosas; o homem não o pode exprimir; os olhos não se fartam de ver, nem os ouvidos se enchem de ouvir. O que foi, isso é o que há de ser; e o que se fez, isso se fará; de modo que nada há de novo debaixo do sol. Há alguma coisa de que se possa dizer: Vê, isto é novo? Já foi nos séculos passados, que foram antes de nós. Já não há lembrança das coisas que precederam, e das coisas que hão de ser também delas não haverá lembrança, entre os que hão de vir depois. Eu, o pregador, fui rei sobre Israel em Jerusalém. E apliquei o meu coração a esquadrinhar, e a informar-me com sabedoria de tudo quanto sucede debaixo do céu; esta enfadonha ocupação deu Deus aos filhos dos homens, para nela os exercitar. Atentei para todas as obras que se fazem debaixo do sol, e eis que tudo era vaidade e aflição de espírito. Aquilo que é torto não se pode endireitar; aquilo que falta não se pode calcular. Falei eu com o meu coração, dizendo: Eis que eu me engrandeci, e sobrepujei em sabedoria a todos os que houve antes de mim em Jerusalém; e o meu coração contemplou abundantemente a sabedoria e o conhecimento. E apliquei o meu coração a conhecer a sabedoria e a conhecer os desvarios e as loucuras, e vim a saber que também isto era aflição de espírito. Porque na muita sabedoria há muito enfado; e o que aumenta em conhecimento, aumenta em dor.


domingo, 15 de fevereiro de 2015

A Ceia do Senhor É para Sua Satisfação


A ceia do Senhor é para Sua satisfação (1 Co 11:20). Esse é o significado da ceia do Senhor: é principalmente para Sua satisfação. A mesa do Senhor é para nosso desfrute, mas a ceia do Senhor, o ponto principal é que o Senhor precisa ficar satisfeito. É por isso que todo o nosso ser e sentimentos devem ser dirigidos ao Senhor ao virmos comer Sua ceia. Cada fibra de nosso ser deve ser “magnetizada” pelo Senhor com o “grande ímã” e apontar em Sua direção. À ceia do Senhor, tudo deve ser direcionado para Ele de modo que todos se lembrem Dele. “Reunidos em Teu nome, Senhor Jesus, para nada atentando senão para Ti” (Hymns, Nº 204). Tal deve ser nossa atitude à ceia do Senhor; tudo o mais empalidece e desaparece quando contemplamos o Senhor Jesus e Ele somente.
A ênfase da ceia do Senhor é recordar o Senhor (vv. 24-25). Isso não é uma lembrança mental, mas algo no espírito. A lembrança do Senhor deve ser o centro da ceia do Senhor. Tudo que fazemos em Sua ceia, seja cantar um hino, ler as Escrituras ou até mesmo dizer uma palavra, tem de fazer com que os presentes tomem o Senhor como o centro e se lembrem de Sua pessoa e obra, Seu amor, Suas virtudes, Seu viver e sofrimento na terra e Sua honra e glória nos céus. Temos um dever na ceia do Senhor, de conduzir os demais à presença do Senhor pela nossa ação, nossa conduta. À ceia do Senhor, devemos aprender a ser inspirados pelo Senhor. Devemos pensar sobre Ele e fitá-Lo, contemplando-O com o rosto desvendado em nosso espírito. Então seremos inspirados pelo Senhor e isso fará com que os outros façam a mesma coisa.

Em O Testemunho de Watchman Nee, acerca da primeira reunião de partir o pão na restauração do Senhor, ele diz: Naquela noite, nós três (LelandWang, sua esposa e eu) nos encontramos em sua pequena casa para partir o pão e beber o cálice juntos. Enquanto eu viver e até a eternidade, eu me lem­brarei daquela experiência. Nunca me senti tão perto dos céus como naquela noite! Naquela noite, os céus se aproximaram da terra! Todos nós, não pudemos evitar as lágrimas! Naquele dia sabíamos o que queria dizer partir o pão em memória do Senhor. Como jovem, depois de ser batizado por aspersão, eu participara da Santa Comunhão. Minha reação naquela época tinha sido: “O pão é um tanto rançoso e o suco de uva está muito adocicado.” Não tinha compreendido nada sobre o significado de partir o pão; apenas percebera que o pão estava rançoso e o suco, doce. Mas quando nós três partimos o pão naquela noite na casa de Leland Wang, eu sabia que isso era algo muito precioso para Deus. (The Collected Works of Watchman Nee,vol.18, p. 308) 

A ênfase da ceia do Senhor é lembrarmo-nos Dele. Vamos à ceia do Senhor não para fazer alguma coisa, nem mesmo amarrar o inimigo, mas para nos lembrarmos do Senhor. Ele merece nossa eterna lembrança. Nas igrejas, geralmente praticamos ter a ceia do Senhor todas as semanas. Na igreja primitiva, eles celebravam-na diariamente. Talvez, à medida que a volta do Senhor se aproxima, venhamos ter a mesa do Senhor mais de uma vez por semana.

A ceia do Senhor serve como lembrança de que estamos vivendo na terra para a satisfação do Senhor; comer a ceia nos faz recordar que devemos ter uma vida na igreja para introduzir o reino para a satisfação do Senhor Jesus (Mc 4:25). Esse é o sentido de nossa vida. Sempre que nos reunirmos no pri­meiro dia da semana para comer a ceia do Senhor, lembramo-nos do que estamos fazendo na terra. Durante a semana podemos estar muito ocupados, fazendo muitas coisas, mas na ceia do Senhor, fazemos uma pausa para nos lembrarmos de que não estamos aqui para todas aquelas coisas; estamos aqui para viver uma vida da igreja a fim de introduzir o reino para a satisfação do Senhor Jesus. Devemos estar à ceia do Senhor dessa forma.

Extraído do livro: A ceia do Senhor - um simbolo da economia neotestámentaria de Deus